SOU FORTE, SOU GUERREIRO, SOU BRASILEIRO!

SOU FORTE, SOU GUERREIRO, SOU BRASILEIRO!
Enquanto Houver Razões Eu Não Vou Desistir

quarta-feira, 26 de julho de 2017

LEIS TRABALHISTAS? POR ADILSON ROBERTO GONÇALVES



Por ADILSON ROBERTO GONÇALVES



O Excelentíssimo Senhor Prefeito do Município de São Paulo, João Dória, baixou a portaria 87, de 5/4/2017, extinguindo quase todos os pronomes de tratamento nas comunicações e atos oficiais. Alude Sua Excelência à igualdade entre as pessoas e que os vocativos diferenciados criam uma situação de prepotência, que iria além da protocolar hierarquia. Apenas "Senhora" ou "Senhor" devem ser usados a partir de então.

Se disso resultarão efeitos práticos na melhoria do trato entre as pessoas ou na qualidade do serviço público, talvez possamos avaliar ao longo do tempo, e não de imediato, em vista de ser uma medida mais midiática que funcional. No entanto, fica a dúvida sobre a legalidade de tal portaria do Executivo Municipal da Capital do Estado, haja vista que no Brasil tudo é regulado, incluindo nossa língua oficial – o português –, as formalidades e até a forma de elaborar leis.

Afirmo isso porque em 11 de janeiro de 1991 foi baixado o Decreto Presidencial 100.000, juntamente com a Portaria no 1 da Subchefia para Assuntos Jurídicos da Presidência da República a qual determinava a elaboração de um "Manual de Redação da Presidência da República". Esse Manual, que teve a segunda edição em 2002, estabelece o uso dos abolidos pronomes de tratamento quando se referir a autoridades, quer sejam municipais, estaduais ou federais.

Assim, mesmo que a intenção seja fazer uma faxina nos documentos ou deixar tudo mais cinza no branco, cabe aos assessores verificarem se estas dúvidas procedem, evidenciando que o Prefeito não pode tudo.

Continuando o desrespeito à lei, uma constância na administração da prefeitura de São Paulo, em fato muito mais relevante, estabelece-se o olho humano como capaz de quantificar a melanina! Certo que as mazelas sociais devem ser mitigadas e as cotas são apenas um dos instrumentos eficazes e que vinha sendo usado seguindo-se a auto-declaração, como preconiza o estatuto da igualdade racial (lei 12.288, de 20/7/2010). Uma administração que quer sobreviver, literalmente, de imagem.

Contrariamente à "agonia de Temer", a agonia é do povo brasileiro que é comandado por um morto-vivo no Planalto. Tentando responder aos que perguntam por que Temer não cai, as ruas não protestam porque seria assumir o erro crasso de ter pedido o impeachment de Dilma no ano passado. Melhor esconder tudo pra debaixo do tapete e engolir o único presidente em exercício acusado de corrupção na história do país.

Em artigo recente na Folha de S. Paulo, Eduardo Oinegue, em sua curiosa defesa da constituição, se esquece que o poder emana do povo ("Diretas já é quebra de contrato", 27/6). A Constituição não é norma engessada e tem sido modificada – e muito – ao longo do tempo. Em 1997, o presidente eleito sem possibilidade de reeleição passou a tê-la, mediante uma "quebra de contrato" muito bem comprada. Também a emenda constitucional 91 de 2016, que permitiu o troca-troca partidário, quebrou o contratado quando aqueles representantes do povo foram eleitos por um partido e puderam mudar de afiliação sem qualquer restrição, não consultando seus eleitores e nem alterando o quociente eleitoral. Que a modifiquemos, pois, em benefício do povo! Quebrar o contrato democrático é ir contra ao que mais de 80% da população quer, mantendo um golpista corrupto no poder ou trocá-lo por alguém escolhido entre outros golpistas e corruptos.


Haja dedo: Temer tem de ligar ainda para 80 deputados

Para garantir que a Câmara dos Deputados rejeite a denúncia apresentada pela procuradoria-geral da República (PGR), o presidente Michel Temer está ligando para cerca de 80 deputados que se mantêm indecisos sobre o voto. A lista de parlamentares foi preparada pelo vice-líder do governo na Câmara, deputado Beto Mansur (PRB-SP).
— O presidente Temer está ligando para uns 80 deputados — disse Beto Mansur.
Temer disse a interlocutores que já conseguiu reverter “uns 20 votos” com os telefonemas. A intenção do Palácio do Planalto é derrotar a denúncia e mostrar que Temer ainda tem uma base aliada formada por cerca de 280 ou 300 deputados.
Fonte: Robson Pires

A reforma que não virá

A Lava Jato, hoje, é “imexível”. Todos os políticos que acharam que teriam força para estancá-la quebraram a cara. Alguns foram até presos. Mas essa situação não vai durar para sempre. E nem é desejável que dure. O ideal é que baixos níveis de corrupção sejam uma consequência do desenho institucional do país, não de campanhas esporádicas que só se sustentam porque conseguiram angariar uma boa dose de apelo popular.
Nesse contexto, é imprescindível que o Brasil proceda a uma reforma política. Se não o fizermos, é muito provável que, dentro de um par de anos, depois que os ventos moralizantes tiverem amainado, opíparos esquemas de desvio de dinheiro público voltem a instalar-se.
Cuidado, não estou aqui fazendo coro ao discurso de alguns políticos de que é o sistema que os faz delinquir. O pressuposto de nossa civilização é o de que existe a responsabilidade individual. Todos aqueles que aceitaram caixa dois ou propina podem e devem responder por suas escolhas. Mas punir quem precisa ser punido não nos exime de buscar uma configuração institucional que, se não chega a inspirar um comportamento virtuoso, ao menos não estimule a roubalheira. Para tanto, é fundamental reduzir drasticamente o custo das campanhas.
Fonte: ROBSON PIRES

terça-feira, 25 de julho de 2017

EDUCAÇÃO: Entidades organizam Conferência Nacional Popular da Educação

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
 
Jornal GGN - No próximo dia 8 de agosto, a coordenação executiva da Conferência Nacional Popular da Educação (CONAPE) irá se reunir em Brasília para tratar dos encaminhamentos da edição deste ano da conferência e também para participar de uma Audiência Pública no Senado Federal. 
 
A audiência será realizada no dia 10 de agosto, na Comissão de Direitos Humanos do Senado para discutir o processo de identificação, reconhecimento, delimitação e demarcação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos.
 
No mesmo dia, uma outra audiência, na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, vai debater a Lei de Responsabilidade Educacional.
 
No início de junho, diversas entidades integrantes do Comitê Nacional de Luta em Defesa da Educação Pública decidiram romper com o Fórum Nacional de Educação (FNE) e organizar um Fórum Nacional Popular de Educação. 
 
As entidades tomaram esta decisão após o FNE ser dissolvido com a exclusão de entidades da área pelo governo de Michel Temer.  Os movimentos ligados à educação divulgaram um manifesto afirmando que não aceitariam um Fórum Nacional controlado pelo Ministério da Educação (MEC). 
 
Uma portaria do MEC alterou a composição do Fórum Nacional de Educação (FNE), em uma decisão considerada “unilateral e antidemocrática”. 
 
“Esse governo golpista, ilegítimo e corrupto quer evitar a participação social. Eles estão desmontando toda a estrutura de conferências, não só da educação, para evitar que as pessoas tenham a oportunidade de participar e apontar os caminhos necessários para as políticas públicas. E nós da educação nunca nos entregamos a isso, nem na ditadura militar, nem no processo da Constituinte, e não vamos nos entregar agora”, declarou Heleno Araújo, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), e também coordenador do Fórum. 
 
Leia mais abaixo: 
 
Aos Coordenadores/as dos Fóruns Estaduais de Educação.
 
Prezados e Prezadas,
 
A Coordenação do Fórum Nacional Popular de Educação – FNPE convida os membros das entidades que compõem a Coordenação Executiva da CONAPE 2018 e os/as Coordenadores/as dos Fóruns Estaduais de Educação para reunião desta coordenação e reunião com as coordenações estaduais dos fóruns de educação para tratar sobre os encaminhamentos da CONAPE 2018, bem como, para participar de uma Audiência Pública no Senado Federal. 
 
Reunião da Coordenação Executiva da CONAPE 2018:
Dia 08 de agosto de 2017, às 14h, na sede da CONTEE (Futura sede do FNPE).     
 
Setor de Rádio e TV – Edifício Assis Chateaubriand, Q. 701, Bl. 2 – Sala 436, Brasília-DF.
 
Reunião com os/as Coordenadores/as dos Fóruns Estaduais de Educação:
 
Dia 09 de agosto de 2017, das 09h às 17h, no Auditório da CNTE.                                               
No CONIC - SDS, Edifício Venâncio V, 2º Andar.
 
Audiência Pública na Comissão de Direitos Humanos do Senado Federal:
 
Dia 10 de agosto de 2017, às 09h, para debater o processo de identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos, no Plenário 2.
 
Audiência Pública na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados:
 
Dia 10 de agosto de 2017, às 09h30, sobre a Lei de Responsabilidade Educacional, no Plenário 10,  Anexo II da Câmara Federal.
 
Para nossa melhor organização, por favor, confirmar presença.
 
Heleno Araújo – CNTE
Andréa Gouveia – ANPED
Celestino Lourenço (Tino) - CUT

Alckmin reúne DEM e aliado prevê desembarque do governo Temer

IMG_8190

Principal aliado do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, na Executiva do PSDB, o deputado federal Silvio Torres (SP), secretário-geral da legenda, sinalizou o desembarque da sigla do governo Michel Temer (PMDB). O parlamentar disse nesta segunda-feira (24/7) que, depois da votação da admissibilidade da denúncia contra o presidente da República no plenário da Câmara, dificilmente os tucanos continuarão o apoio ao peemedebista.
A declaração ocorreu poucas horas antes de um jantar que começou às 21h30, a pedido da cúpula do DEM, na ala residencial do Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.
Robson Pires

BRASIL: Depois de roubar merenda, PSDB fecha salas de aula

É a educação de Alckmin, Serra, Beto Richa...
Claudete Vilela: Sou professora do Estado de SP e este ano tive que pegar uma menor quantidade de aulas, pois o Santo do Governador sorrateiramente fechou uma quantidade enorme de salas de aula. Eu tenho passado situações inéditas em minha vida. Não tenho dinheiro para comprar alimentação saudável, só o arroz e feijão - quando muito uma carne de terceira e ovo, que está dez reais 30 ovos. Quando ouço dizer que as coisas estão melhorando eu só queria saber: para quem? Porque aqui em casa a coisa está feia.
Fonte: CONVERSA AFIADA

CAMPUS DA UERN E UFRN, JÁ! NOSSA MOBILIZAÇÃO NÃO ACABOU, PERMANECEREMOS EM DEFESA DOS CAMPUS DA UERN E UFRN!


Após a notícia vinculada em vários sites e blogs do Estado do Rio Grande do Norte sobre a dominialidade, das reformas e utilizações adequadas temos a esperança que sim, podemos volta acreditar (sonhar) com a transformação do Núcleo da UERN em Nova Cruz em CAMPUS, porque não?

O Governo Federal recentemente "repassou" para o Estado todos os CAIC's para a responsabilidade do Governo do Estado do Rio Grande do Norte.  Isso acende uma luz, pois era uma das propostas da Comissão em Defesa dos Campus da UERN e UFRN na Região do Agreste Potiguar, em uma de suas dependências poder agregar o CAMPUS! Porque Não?

Por isso a comissão buscará caminhos junto a classe política, educacional e a população em Geral a juntar-se a nós para que junto ao Governador Robinson Farias possamos voltar a se discutir a viabilidade do CAMPUS em Nova Cruz. Vale lembrar que em seu discurso (campanha para governador - 2014), quando candidato a governo, Robinson Farias veio a NOVA CRUZ em seu primeiro comício, disse: "Quando fui governador em exercício trouxe o Núcleo da UERN para NOVA CRUZ, e como governador que sei que vou ser eleito o transformarei em CAMPUS!" Portanto é hora de se cumprir a PROMESSA!

Em breve  faremos mobilizações junto as órgãos públicos, sindicatos, igrejas, população e poderes executivos e legislativos para fortalecermos a nossa luta!

Aguardem!

Eduardo Vasconcelos
Coordenador da Comissão em Defesa dos Campus da UERN e UFRN, JÁ!

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Entrevista - Dora Incontri - "Temos duas educações: uma para a elite e outra para o povo"

Para especialista, escolas brasileiras são de má qualidade ou falham em educar integralmente, ensinando o pensamento crítico.
Dora Incontri é jornalista pela Cásper Líbero, mestre, doutora e pós-doutora em Filosofia da Educação pela USP, sendo hoje uma das maiores autoridades do País na defesa de uma grande reforma da educação que considere o ser humano em sua integralidade, proposta baseada em autores como Comenius, Jean-Jacques Rousseau e Johann Heinrich Pestalozzi, objeto de suas pesquisas acadêmicas.
A sua proposta educacional, que vem procurando aplicar na Universidade Livre Pampédia, da qual é coordenadora geral, envolve, por exemplo, uma perspectiva interdisciplinar, o desenvolvimento da espiritualidade e a autonomia do ser. 
CartaCapital: Você poderia falar um pouco sobre a Universidade Livre Pampédia e a influência de Comenius?
Dora Incontri: Comenius foi um educador e pensador visionário do século XVII, que pretendia uma educação universal, integral e plural. Tinha um projeto de paz mundial, foi o idealizador de um órgão internacional pela paz, portanto, um precursor da ONU, e queria também uma língua internacional. Zammenhof se inspirou nele para criar o Esperanto.
A Universidade Livre Pampédia se pretende um espaço alternativo de educação, em nível superior, cujo objetivo é favorecer vivências pedagógicas diferentes para adultos e ao mesmo tempo divulgar ideias de transformação pedagógica e social.
A integralidade e a interdisciplinaridade propostas por esse projeto de Universidade Livre é inspirada em Comenius; assim, também inclui a dimensão espiritual do ser humano. Ou ainda, inclui dar voz às diferentes correntes de pensamento – tradições espirituais diversas, vertentes filosóficas espiritualistas ou materialistas – num diálogo aberto e aprofundado.
As Universidades convencionais têm guetos ideológicos onde não se pode penetrar com ideias diferentes – o pesquisador é obrigado a direcionar suas produções dentro da camisa de força imposta pelo orientador, pelo departamento, pelo grupo a que o pesquisador pertence. Não há liberdade de pensamento e de produção. É tudo muito engessado e fechado. Por isso, a ideia de uma Universidade Livre.
Além disso, eu trabalho com formação de educadores há muitos anos e percebi que só a aprendizagem de teorias de uma educação diferente da tradicional não adianta. É preciso que as pessoas experimentem por si mesmas, como alunos-sujeitos, uma educação alternativa, para poderem praticar ideias novas. 
CC: Como descobriu Comenius, quem dá, inclusive, nome à sua editora?
DI: Quando estava fazendo minha dissertação de mestrado na USP, sobre o educador suíço Pestalozzi, pesquisei na Alemanha e na Suíça e me lembro que um professor da Universidade de Nurembergue me disse: “se você quiser entender Pestalozzi, leia Comenius.”
Eu nunca tinha ouvido falar de Comenius. E conforme fui lendo suas obras, fui ficando encantada com sua atualidade, com sua profundidade. Hoje, quando se fala brevemente em Comenius nas faculdades de Pedagogia no Brasil, costuma-se apresentá-lo, de modo superficial, como pai da didática.
No entanto, suas ideias são muito mais amplas e não se trata de um conceito reducionista de didática; envolvem um conceito de ser humano integral e integrado, uma concepção de educação universal e permanente, que deve realizar o ser humano em suas dimensões cognitivas, morais, políticas, afetivas, sociais e espirituais.
Ele apresenta também uma ideia de pansofia – que poderíamos traduzir como sabedoria de tudo, entendendo que tudo está conectado no universo e, portanto, temos que procurar desvendá-lo, interligando nossos instrumentos de interpretação do mundo: a razão, a observação, a revelação… portanto, a filosofia, a ciência, a espiritualidade. 
CCDiante da quantidade de informações existente hoje, seria realmente possível ensinar tudo a todos? Essa não seria uma bandeira mais bem aplicada quando Comenius viveu, período no qual a maior parte da população sequer era alfabetizada?
DI: Ao contrário. Somente hoje, com a internet e a disponibilização aberta do conhecimento, é que se pode oferecer o acesso a esse "tudo" a que se referia Comenius. Quando ele propunha essa espécie de slogan, pensava na democratização do conhecimento e não que todos tivessem que saber tudo. Tinha muitas ideias interessantes a respeito, algumas das quais só são possíveis de realizar num mundo global, interconectado e virtual, como este em que vivemos.
Essas ideias estão no livro de sua autoria que, pela primeira vez publicamos no Brasil, em 2014, Pampédia. Uma obra-prima que, claro, têm seus contextos históricos, mas que também traz muitas propostas ainda atuais e necessárias. Temos um outro livro publicado pela Editora Comenius, de Luis Colombo, que trata dessa questão de como só o mundo virtual pode traduzir plenamente a ideia comeniana: Comenius, a Educação e o Ciberespaço. 
CCVocê entende que há uma linha de continuação em Comenius, Rousseau, Pestalozzi e Rivail? O que os une?
DI: Eu defendi essa linha de descendência intelectual em minha tese de doutorado na USP – sobre Pedagogia Espírita – e ela não é de jeito nenhum arbitrária. É histórica, em primeiro lugar, porque Hippolyte Léon Denizard Rivail (depois Allan Kardec) estudou com Pestalozzi no castelo de Yverdon e foi mais tarde divulgador de sua pedagogia na França.
Dora Incontri
A escola das elites não ensina pensamento crítico (Foto: Divulgação / Editora Comenius)
Pestalozzi, por sua vez, cita textualmente em suas obras sua dívida para com Comenius e Rousseau. Há várias ideias comuns que perpassam esses autores. Vou citar algumas: foram eles que firmaram, muito antes de Piaget, a concepção de que a criança é um ser em desenvolvimento e precisa ser observada e tratada como tal. Antes desses grandes educadores, as crianças eram consideradas adultos em miniatura.
Todos eles também encaravam a educação como instrumento de transformação social. Estavam preocupados com as injustiças sociais de suas respectivas épocas – como devemos estar também ainda hoje, porque, infelizmente, as injustiças continuam – e desejavam uma sociedade melhor.
Eles também enxergavam na educação um meio de viabilizar o projeto de um mundo mais igualitário e fraterno. Todos também propunham para isso uma educação diversa da tradicional, que vem sendo praticada até hoje, uma espécie de formatação do ser humano para a submissão e o trabalho no mercado.
Eles queriam uma educação em que a criança pudesse desenvolver suas potencialidades de maneira autônoma, integral, com liberdade e afeto. Comenius trata mais da integralidade. Pestalozzi e Rivail o seguem. Rousseau trabalha muito a ideia de liberdade e Pestalozzi foi o grande introdutor do afeto na educação. Ele próprio, amorosíssimo, fez do amor pedagógico um dos pilares de suas práticas. 
CCConsiderando que o foco na experiência, e no desenvolvimento das faculdades naturais por meio dela, era um dos pilares da educação daqueles autores; a educação dogmática, teórica e abstrata do Brasil seria bastante contrária à proposta deles e um dos seus principais problemas?
DI: Difícil dizer quais os principais problemas da educação no Brasil. Mas, pincemos alguns, que saltam à vista. Primeiro, desde a chegada dos portugueses aqui, sofremos de duas doenças crônicas:
1) não somos uma sociedade que valoriza a educação, por isso, não há investimentos, vontade, muita gente engajada em trabalhar por uma educação melhor…
2) temos duas educações: uma para a elite e outra para o povo, que permanece sem acesso a uma escola minimamente de qualidade. Esforços aqui e acolá, idealistas e militantes aqui e ali, mas, no grosso, temos uma elite educada em escolas razoáveis – apesar de que não formam integralmente, nem eticamente, nem com autonomia e pensamento crítico – e temos uma escola pública de má qualidade, porque não interessa aos poderes instituídos que a população aprenda a pensar.
Durante alguns períodos da história, houve uma escola pública melhor, quando a classe média a frequentava, mas estamos vivendo um momento sombrio em que o que restava de uma proposta de escola pública um pouco razoável está sendo desmontado por esse (des)governo, que chegou para deixar um marco escuro na história do Brasil. 
Isso, quanto aos aspectos políticos e sociais da educação brasileira, quanto aos métodos de ensino, quanto à maneira como é feita a escola, sejam as públicas, sejam as particulares, a quase totalidade delas está dentro do modelo tradicional, com lousas, carteiras enfileiradas, provas, notas, aulas desinteressantes e descontextualizadas de 50 minutos – escolas em geral feias, sem verde, sem liberdade de escolha, chatas e completamente fora do século XXI. Para, de fato, mudar o Brasil pela educação, temos que torná-la nossa prioridade, familiar, pessoal, coletiva, social, política e temos que reinventar a escola. E a escola tem que ser centrada no ser humano, no seu desenvolvimento, e não no conteúdo, no vestibular, no mercado…
Carta Capital

CONTROLE INFORMÁTICA - ORGULHO DE NOVA CRUZ E REGIÃO AGRESTE POTIGUAR!


Controle Informática


MISSÃO

Oferecer o melhor em produtos e serviços para micro e pequenas empresas na área administrativa e de Automação Comercial, com qualidade, eficiência e segurança.

VISÃO

Ser referência em automação comercial, no atendimento de micro e pequenas empresas, sempre voltada na qualidade e ótimo atendimento.

VALORES

São base para nossa estratégia de negócio:
Cliente: Reconhecer no cliente que ele é nosso bem maior, respeitando e mantendo sempre o foco no cliente.
Trabalho em equipe: Trabalhamos todos focados na inovação tecnológica e no melhor atendimento ao nosso cliente, nos preocupando sempre com o ambiente de trabalho, buscando e oferecendo aos colaboradores o respeito e a satisfação para que se sintam bem e reconhecidos.
Respeito: Integridade e transparência.
Inovação: Analisar constantemente nossos produtos pela satisfação e reconhecimento de nossos clientes, buscando atingir suas expectativas e aperfeiçoando nossos produtos e serviços, através da pesquisa e estudo de novas tecnologias.
" Profissionalismo, pontualidade e compromisso com sua cidade (Nova Cruz/RN) e Regiões do Agreste Potiguar e Paraíba." - Eduardo Vasconcelos - Presidente do Centro Potiguar de Cultura - CPC/RN.

Propina do Bank Boston/Itaú para sonegar não dá manchete

Por Fernando Brito
O Ministério Público apresentou  denúncia à 10ª Vara de Fazenda Pública contra 11 pessoas acusadas de “perdoar”débitos de R$ 800  milhões  do Bank Boston no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais  – auditores da Receita, advogados, contadores e um diretor do banco – de forma fraudulenta e com o pagamento de milhões em propina.
Até agora o assunto está sendo tratado pela mídia com grande discrição e ninguém está questionando o fato de o Banco Itaú, que começou a comprar o Bank Boston em 2006 – justamente quando começou a propinagem, que se estendeu até 2015 – ter ficado fora do processo.
É de se supor que as auditorias feitas pelo Itaú devam ter registrado estes imensos débitos fiscais que, um por um “despareceram”, reduzidos a quantias ínfimas. Será que os dirigentes do banco dos Setúbal não sabiam de nada e se limitavam a um “ôba, que bom!” quando a Receita anulava penalidade de até meio bilhão de reais, em valores atualizados?
Mas eles certamente não sabiam de nada, não é?
O texto da denúncia pode ser lido aqui.
Fonte: http://www.tijolaco.com.br

Juízes peitam a lei, dividem férias, geram custo extra

Juiz-Deus

Contrariando a Loman (Lei Orgânica da Magistratura), juízes e desembargadores do Tribunal de Justiça de São Paulo vêm adotando a prática de tirar suas férias de forma fracionada em dias úteis, sem contar os fins de semana.
O hábito ilegal acaba gerando um acúmulo de férias não tiradas ao fim de cada ano, o que resulta em prejuízo financeiro para o Estado, uma vez que esses dias não gozados têm de ser compensados financeiramente.
Robson Pires

Procurador da Lava Jato admite: só queriam derrubar a Dilma

Do estadão:
Em mensagem publicada em sua rede social, o procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, da força-tarefa da Operação Lava Jato, afirmou nesta segunda-feira, 24, que ‘o próximo passo do PMDB’ parece ser acabar com a investigação. Carlos Lima reagiu à entrevista do vice-presidente da Câmara dos Deputados e substituto imediato de Rodrigo Maia (DEM-RJ), o deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG), ao Estadão, na qual o parlamentar defendeu um “prazo de validade” para a Lava Jato.
O procurador afirmou que ‘as investigações vão continuar por todo o País’.
 “Acabar com a Lava Jato. Esse parece ser o próximo passo do PMDB. Infelizmente muitas pessoas que apoiavam a investigação só queriam o fim do governo Dilma e não o fim da corrupção. Agora que Temer conseguiu com liberação de verbas, cargos e perdão de dívidas ganhar apoio do Congresso, o seu partido deseja acabar com as investigações. Mas, mesmo com todas as articulações do governo e de seus aliados, as investigações vão continuar por todo País”, escreveu.

Fonte:https://twitter.com/DCM_online/status/889521099637174272?t=1&cn=ZmxleGlibGVfcmVjc18y&refsrc=email&iid=c85772bb469b4cfba4d2ddc4fa2bdc04&uid=873360780342767616&nid=244+272699393

domingo, 23 de julho de 2017

ENQUANTO A BURGUESIA ESTÁ AQUECIDA EM SUAS MANSÕES, SEU GOVERNO QUER MATAR DE FRIO E FOME OS MORADORES DE RUA!

O prefeito da cidade de São Paulo, João Dória, do PSDB, segue com sua política higienista que significa “limpar” a cidade para que a burguesia não se incomode com a miséria que ela mesmo produz.
O sofrimento dos moradores de rua se ampliou nos últimos dias. Nestes dias em que as temperaturas chegaram a menos de 8֩ graus, a empresa terceirizada de limpeza contratada pela Prefeitura jogou jatos d’agua contra os moradores de rua na madrugada, tomou seus cobertores na manhã, numa ação que escancara o ódio de classe desse governo do Capital que tenta jogar, como se fossem escória, seres humanos que estão nas ruas não por sua escolha, mas pela miséria produzida por essa sociedade de exploração.
Na madrugada de quarta-feira os moradores foram escorraçados da Praça da Sé com os jatos d’agua da empresa terceirizada que presta serviços para a Prefeitura e na noite de quinta-feira a guarda municipal tentou impedir a distribuição de sopa aos moradores de rua feita pela Pastoral do Povo de Rua.
Para o governo da burguesia, os pobres têm que ser exterminados das ruas, padecerem de frio e de fome, enquanto aqueles que se enriquecem às custas da exploração seguem aquecidos e fartos em suas ricas mansões.
O GOVERNO DO PSDB QUER ENTREGAR PARA O CAPITAL TUDO QUE É PÚBLICO E PODE SE TORNAR MERCADORIA RENTÁVEL
Enquanto seres humanos são tratados como lixo a ser removido das ruas de São Paulo, o prefeito segue em suas viagens internacionais tentando vender a cidade. O prefeito do PSDB quer entregar para as empresas privadas todos os espaços públicos que possam se tornar rentáveis para o Capital, e para isso, desde que tomou posse, tem sucateado ainda mais os serviços públicos que atendem diretamente os trabalhadores e seus filhos: corte na entrega de medicamentos, cortes na merenda escolar, cancelamento das ações dirigidas para atendimento específico às mulheres, criminalização dos dependentes químicos que vivem na região central.
Todas essas ações têm por objetivo entregar tudo o que possa ser fonte de lucro ao Capital: do espaço em que vivem aqueles que não tem onde morar para especulação imobiliária, até o serviço de saúde que deixa de ser atendimento à população trabalhadora para ser mercadoria fonte de lucro para burguesia.
O governo do burguês João Dória, que todos os dias, com suas propagandas de “cidade limpa”, vestiu o uniforme dos trabalhadores para atacar os próprios trabalhadores, escancara qual é sua real política de limpeza: limpar das ruas da cidade de São Paulo os seres humanos que nada têm e acabar com o serviços públicos que são utilizados pelos trabalhadores. Esconder os trabalhadores, os pobres, nos grotões para que a burguesia ande pela cidade como se fosse a extensão dos jardins de suas mansões.
Aqueles que dormem ao relento nas noites de São Paulo são seres humanos jogados à deriva por esta sociedade de exploração, e quem está no seu cotidiano sendo atacado pelas políticas desse governo são os trabalhadores.
Nossa luta segue contra o Capital e seus governos que se fartam em seus banquetes sugando o trabalho da classe trabalhadora e jogando centenas de milhares na miséria, nossa luta segue contra essa sociedade de exploração que tenta naturalizar tratar seres humanos como se fossem lixo a ser removido.
Fonte: Intersindical

CSP-Conlutas lança site do 3° Congresso Nacional da central

A CSP-Conlutas lançou neste mês de julho o site do 3º Congresso Nacional da central sindical, que acontece de 12 a 15 de outubro deste ano, em Sumaré (SP). A página na internet contém informações importantes sobre o encontro, como notícias, calendário, programação, o regimento interno e critérios de participação, além de disponibilizar para download materiais de divulgação como cartazes, adesivos e o manifesto de lançamento do Congresso.

O cadastro e a inscrição para a participação dos delegados das entidades e movimentos serão feitos pelo site, assim como a emissão do boleto de pagamento das taxas da respectiva delegação.

Participação do ANDES-SN

 A participação do ANDES-SN e das seções sindicais no 3º Congresso da CSP-Conlutas foi debatida no 62º Conad do Sindicato Nacional, realizado de 13 a 16 de julho, em Niterói (RJ). Na plenária que tratou do plano de lutas gerais da entidade, foi deliberado apresentar ao 3º Congresso da CSP-Conlutas uma proposta de modificação de critérios de representação na Central, levando em conta número de sindicalizados e não de trabalhadores da base. Além disso, os docentes aprovaram incentivar a participação das seções sindicais no 3º Congresso da CSP-Conlutas e a regularização financeira das seções junto à Central, além da realização de levantamento acerca da participação das seções sindicais na CSP-Conlutas e a participação efetiva das seções sindicais nas secretarias estaduais e regionais da CSP-Conlutas.

Acesse aqui o site do 3º Congresso Nacional da CSP-Conlutas ou através do endereço: www.cspconlutas.org.br/congresso

Saiba Mais

#02A - Dia Nacional de Luta e Paralisações em defesa das instituições de ensino públicas, e por abertura de negociações de nossa pauta

 Cortes no orçamento e investimento das instituições de ensino públicas geram insegurança na comunidade acadêmica.
A FASUBRA Sindical convoca todos as entidades sindicais filiadas representantes dos trabalhadores técnico-administrativos em educação a paralisar as atividades no Dia Nacional de Luta em defesa das instituições de ensino públicas, e por abertura de negociações, 02 de agosto. Também será desenvolvida pressão sobre os parlamentares nos aeroportos em 01 de agosto, como parte do processo de pressão e de construção de manifestações que se desenvolverão em 02 de agosto.

Em conformidade com as estratégias definidas pela categoria em nossa última plenária, a Direção Nacional da Fasubra antecipou em 1 dia a data aprovada na Plenária Nacional realizada em julho. As manifestações e a paralisação somam com a pressão sobre o Congresso Nacional,  no dia da apreciação pelo Plenário da Câmara de novas denúncias contra Temer, formuladas pela Procuradoria Geral da República (PGR), que podem resultar no afastamento de Temer da presidência.

A data será marcada por paralisações em todo o país. A FASUBRA orienta aos sindicatos que mobilizem a Categoria, realizando ações nas reitorias, para pressionar a administração superior em defesa das instituições e por negociação.

A Federação tem denunciado o corte orçamentário praticado pelo atual governo e o sucateamento das instituições de ensino públicas. A medida agravada pela sanção da Emenda Constitucional (EC) nº 95 de 2016, que reduz o investimento em políticas públicas pelos próximos 20 anos, inviabiliza o funcionamento das universidades.

Os cortes no orçamento e investimento geram insegurança na comunidade acadêmica. Em 2017 o custeio das universidades foi reduzido significativamente, comprometendo a expansão, consolidação e funcionamento das IFES, segundo a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes).

O contingenciamento para custeio das universidades foi de 30%, para manter serviços essenciais como a limpeza e segurança, ocasionando a demissão de trabalhadores terceirizados. O aumento de casos de estupro nos campi também preocupa trabalhadores e estudantes.

A falta de pagamento de contas de energia e água, sucateamento dos hospitais universitários devido a falta de materiais, medicamentos, leitos e quadro de pessoal, são problemas sérios, sem previsão de solução por parte do governo.

Em audiência pública no dia 13 de julho, na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, FASUBRA, Andifes e CONIF apresentaram dados alarmantes, que colocam em risco o funcionamento das instituições federais de ensino público. De acordo com a Federação, os recursos para o ensino privado permanecem em detrimento do contingenciamento do ensino público.

Diante das tentativas de abertura de diálogo pelo Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe), a qual a FASUBRA participa, o governo tem se calado . A pauta da Campanha Salarial para 2018, protocolada em fevereiro no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) continua sem resposta, mesmo diante de vários ofícios enviados solicitando abertura de negociação.

Em 37 anos de existência da FASUBRA Sindical, somente a luta levou à conquista por melhores condições de trabalho, salário, reconhecimento dos trabalhadores técnico-administrativos em educação, reconhecidos internacionalmente. “Isso é conquista da Categoria, e hoje não é diferente. A luta em conjunto com as demais entidades do serviço público por uma educação pública, gratuita, de qualidade, socialmente referenciada e por salários dignos é necessária” .

Em defesa das instituições de ensino públicas!
Por abertura de negociações, já!
Fora Temer!
Direção Nacional FASUBRA Sindical